Tudo o que você precisa saber sobre “Anastasia”

Na esteira da reapresentação de “A Família Addams” no Teatro Renault, a T4F Entretenimento, em parceria com a Caradiboi Arte e Esportes traz ao Brasil o inédito “Anastasia”.

Leia mais

Inspirado no filme da Fox de 1997, o musical traz Anya, uma jovem, vítima de amnésia, que viaja para Paris em busca de respostas para o seu passado, cujo caminho acaba se cruzando com dois vigaristas que pretendem usar sua aparência para ganhar um lucrativo prêmio oferecido pela Condessa Maria Feodorovna, que busca por sua neta perdida.

A família Romanov

A história de Anastasia ganhou notoriedade no inconsciente coletivo devido aos rumores de que a jovem Anastasia Romanov teria sobrevivido ao assassinato de toda sua família: em 1917, após crescentes conflitos internos, seu pai, o tsar Nicolau II, foi forçado a abdicar do poder, nomeando seu filho, Alexei, como o novo tsar, mudando de ideia após ser aconselhado pelos médicos de que o garoto não viveria muito tempo longe dos pais.

Nicolau II, nomeou, então seu irmão, Miguel, como o tsar, mas este rejeitou a nomeação e convocou uma Assembleia Constituinte, pondo fim a 3 séculos de governo da dinastia Romanov.

A família, então, foi presa, vivendo em mansões com certo conforto. Em outubro, os bolcheviques chegaram ao poder e tornaram a prisão da família Romanov, incluindo Anastasia, mais restrita. As condições se apertaram em março de 1918, quando a família passou a se alimentar das mesmas rações servidas aos soldados.

Para impedir definitivamente qualquer possibilidade da volta dos Romanov ao poder e conforme revelado no diário de Leon Trotsky, na noite do dia 16 para o dia 17 de julho, sob autoridade de Lênin e Sverdlov e liderança de Yakov Yurovsky, Nicolau II, Alexandra, sua esposa, Anastasia e suas três irmãs, Olga, Tatiana, Maria, seu irmão, Alexei, o médico da família, Eugene Botkin, a empregada de Alice, Anna Demidova, o cozinheiro Ivan Kharitonov e o criado Alexei Trupp foram assassinados.

Anastasia lendo em seu cativeiro em 1918, em uma de suas últimas de suas últimas fotos

O segredo sobre o local onde os corpos haviam sido enterrados foi motivo de grande especulação de que uma das filhas Romanov teriam conseguido escapar, em especial Anastasia. Os rumores foram inflamados por diversas personalidades que alegaram ser a princesa, em especial Anna Anderson (que também inspirou Anya), que entre 1920 e 1922 teria aparecido publicamente pela primeira vez, dizendo ter sido salva por um soldado que se apenou dela ao retirar os corpos de sua família.

Um dos primeiros retratos de Anna Anderson, realizado em 1921

Em um dos processos mais longos da história alemã, durando de 1938 a 1970, Anna Anderson não conseguiu comprovar ser Anastásia, tendo o caso arquivado. Embora tenha falecido em 1984, testes de DNA realizados em 1994 (com a ajuda do Príncipe Philip, Duque de Edimburgo, que era sobrinho-neto da imperatriz Alexandra) comprovaram que Anna não poderia ser parente de Nicolau II ou de Alexandra.

Pelo menos dez outras mulheres afirmaram serem Anastasia ao longo do século XX, com rumores se alimentando de narrativas criativas de que o exército bolchevique seguia buscando Anastasia.

Os restos mortais de parte da família foram descobertos em janeiro de 1991, sendo identificados apenas em 1998, com exceção de Alexei e uma das filhas (Maria ou Anastasia), cujos restos mortais foram encontrados e identificados em abril de 2008. Naquele mesmo ano, o imperador e sua família foram canonizados pela Igreja Ortodoxa Russa.

NO CINEMA

A história e seus diversos desdobramentos, reais e fictícios, não demorariam a servirem de inspiração para Hollywood: em 1928, o filme mudo Clothes Make the Woman apresentava uma Anastasia salva da morte por Victor, um soldado russo. Após ajudar a princesa, eles se separam e ele ruma para Hollywood, onde se torna um famoso ator e produtor. Certo dia, ele reconhece a princesa, que tenta a sorte como atriz, em uma multidão de figurantes, escalando-a imediatamente em um filme sobre sua própria vida, e colocando a si próprio como seu par romântico. Ela, no entanto, abandona as telas após se ferir durante a gravação da cena da execução, já que Victor atira nela, por engano, com uma arma de verdade. O final, no entanto, é feliz: após ela se recuperar, os dois se casam.

Em 1956, Anastasia voltaria às telas, desta vez pela Fox, então um dos grandes estúdios de Hollywood. Baseado em uma peça de 1952 escrita por Guy Bolton e Marcelle Maurette e inspirada nos relatos de Anna Anderson, o filme foi estrelado por Ingrid Bergman como Anna, uma paciente psiquiátrica que realiza tratamento para amnésia. De semelhança incrível com a princesa Anastasia, ela é levada à presença do General Bounine, ex-membro do Exército Branco e dono de um clube russo em Paris, interessado em um grandioso prêmio.

Ele a convence de que ela poderia ser Anastasia, e começa a treiná-la para que ela exiba o comportamento que se esperaria de uma princesa imperial russa. Após encontros com uma série de membros da antiga corte imperial, a maioria se convence de que ela poderia ser a princesa perdida e ela é levada à presença da Imperatriz Viúva Marie Feodorovna, avó de Anastasia.

Apesar de recusar no começo, ela aceita Anastasia como sua neta perdida, e seu compartamento refinado começa a fazer até mesmo Bounine duvidar se ela não poderia, de fato, ser a princesa russa.

A imperatriz viúva oferece um baile, onde Anastasia anunciaria seu noivado com o príncipe Paul, mas durante uma conversa final, a imperatriz, ciente do interesse de Bounine no prêmio, mas, ao mesmo tempo, do romance desenvolvido entre ele e Anastasia e crente de que ela é, de fato, sua neta, ajuda a princesa a escapar com Bounine, simplesmente anunciando a todos os presentes de que Anna era mais uma impostosa, sem que seja revelado ao público a verdade sobre o passado de Anna.

Com um orçamento de 3.52 milhões de dólares, o filme lucrou 4.3 milhões somente nos Estados Unidos e Canadá, sendo indicado ao Oscar de Melhor Trilha Sonora de um Filme de Comédia ou Drama, com Ingrid Bergman vencendo o Oscar de Melhor Atriz para Ingrid Bergman.

JORNADA AO PASSADO

Em 1994, o animador e diretor Don Bluth assinou uma parceria com a Fox para a construção de um estúdio de animação. Após empregar mais de 300 artistas e técnicos, Bluth tentou adaptar musicais como “O Rei e Eu” e “My Fair Lady”, desistindo do último pois sentiu que seria impossível melhorar a performance de Audrey Hepburn ou a trilha sonora.

O então presidente de filmes da Fox, Bill Mechanic, sugeriu uma adaptação do filme de 1956 com toques de “Pigmaleão”, transformando a maltrapilha Anya em parte da realeza. Se a história real se provou muito obscura para uma animação, na opinião do diretor, a solução foi transformar o filme em uma leve comédia romântica, cujo roteiro foi retocado até mesmo pela atriz Carrie Fisher (que não recebeu nenhum crédito), que ajudou a escrever a cena em que Anya abandona o orfanato rumo a Paris.

Embora a ideia inicial para o vilão tenha sido um policial buscando vingança contra Anastasia, Don Bluth decidiu por uma solução mais fantástica: o curandeiro Grigori Rasputin ganhou um morcego albino falante como companheiro e dons mágicos para voltar dos mortos e tentar encerrar a linhagem Romanov de vez.

Na vida real, no entanto, Rasputin se demonstrou grande amigo da família. Embora tenha se aproximado da família, inicialmente, como curandeiro para os males de Alexei, que sofria de hemofilia. Tal fato o tornou indispensável à companhia da tsarina Alexandra, de quem se tornou confidente, o aproximando também de seus filhos. A amizade e influência de Rasputin era vista como suspeita pelo povo russo e ele terminou assassinado por um grupo de nobres em 1916.

Os membros da família imperial foram os únicos presentes no funeral de Rasputin, a preterência até mesmo de sua esposa, amante e filhos. Seu corpo, no entanto, foi exumado e queimado após a abdicação do tsar, para evitar que se tornasse uma espécia de altar para os apiadores da família imperial.

A decisão de contrariar a história real desagradou os compositores Stephen Flaherty e Lynn Ahrens

A atriz Liz Callaway foi escolhida para gravar as demos das músicas, mas sua voz agradou tanto os compositores que acabou sendo usada na versão final. A atriz Meg Ryan se tornou a voz falada da princesa. Kristen Dunst e Lacey Chabert interpretaram a versão jovem da princesa, falando e cantando, respectivamente.

Já Dimitri foi interpretado por John Cusack, enquanto sua voz cantada foi gravada por Jonathan Dokuchitz. O elenco principal contou ainda com Kelsey Grammer como Vlad Vasilovish, Christopher Lloyd como Grigori Rasputin, Jim Cummings como a voz cantada de Rasputin, Hank Azaria como Bartok, Angela Lansbury como a Imperatriz Viúva Marie Feodorovna e Bernadette Peters como Sophie, a dama de companhia da imperatriz viúva.

O lançamento do filme, agendado para 21 de novembro de 1997, foi turbulento: a Disney havia agendado o re-lançamento de “A Pequena Sereia” para a semana anterior e, embora alegue que o lançamento já estava agendado previamente, para que combinasse com uma campanha de Natal e o lançamento do filme do filme em DVD no ano seguinte, o final de semana seguinte também viu o lançamento de mais filmes familiares da Disney, como “Flubber” e relançamentos de “Hércules” e “George, O Rei da Floresta”. A Disney ainda proibiu a veiculação de anúncias de Anastasia” durante o “The Wonderful World of Disney”, programa semanal responsável por exibir filmes do estúdio na TV aberta norte-americana.

Com orçamento de 53 milhões de dólares, “Anastasia” se tornou um sucesso de bilheteria, arrecadando cerca de $140 milhões, sendo bem recebido pela crítica inclusive em comparações com os filmes animados da Disney relançados durante o mesmo período. O filme foi indicado ao Oscar de Melhor Trilha Sonora de Musical ou Comédia e de Melhor Canção Original, por “Journey to the Past” (a vencedora daquele ano seria “My Heart Will Go On”).

O filme ganhou uma sequência, lançada direto em vídeo, focada em Bartok, o morcego.

NA BROADWAY

Após uma leitura inicial em 2012, com Kelli Barrett no papel da princesa, Aaron Tveit como Dmitry, Patrick Page como Vlad Popov, Aaron Lazar como Gleb Vaganov, Julie Halston como Lily e Angela Lansbury reprisando seu papel como a Imperatriz Viúva, o musical realizou um workshop em 2015.

Em abril de 2015, os produtores anunciaram a intenção de levar “Anastasia” para os palcos, com previsão de estreia em Connecticut em 2016. A produção seria inspirada pelos dois filmes da Fox, com músicas de Stephen Flaherty e letras de Lynn Ahrens, roteiro de Terrence McNally e direção de Darko Tresnjak.

Com Christy Altomare e Derek Klena nos papéis de Anya e Dmitry, o musical fez sua estreia mundial em Connecticut em maio de 2016. Além de John Bolton como Vlad Popov, Manoel Felciano interpretou o vilão Gleb Vaganov.

O roteiro se baseou muito mais no filme original do que na animação: se a decisão de dar tons fantasiosos para o filme havia desagradado os compositores, no musical eles ganharam a chance de trazer a sua visão à tona, substituindo o caricato Rasputin por Gleb Vaganov, chefe de polícia que busca, além de tudo, se provar filho de seu pai, o responsável pela execução dos Romanov.

O musical seguiu para a Broadway no ano seguinte, estreando no dia 24 de abril de 2017. Uma das poucas substituições foi a de Manoel Felciano, que abriu lugar para Ramin Karimloo, que já havia interpretado Gleb no workshop.

O espetáculo ficou em cartaz até o dia 31 de março de 2019. Recebido de forma mista pela crítica, o espetáculo angariou apenas duas indicações ao Tony Awards: Melhor Atriz Coadjuvante em um Musical para Mary Beth Pell, a imperatriz viúva, e Melhores Figurinos em um Musical para Linda Cho.

O musical também realizou uma primeira turnê nacional pelos EUA, iniciada em outubro de 2018 e interrompida em março de 2020 pela pandemia. A segunda estreou em outubro de 2021, e segue em cartaz.

O espetáculo também já foi recebido na Espanha, Alemanha, Holanda, Japão, Finlândia e na Áustria.

A PRODUÇÃO BRASILEIRA

Em setembro de 2018, os produtores do musical anunciaram que o musical, entre outros países, estaria se preparando para chegar ao Brasil. O anúncio de fato, no entanto, só veio em agosto de 2022, quando a T4F, em parceria com a Caradiboi, anunciou a abertura de audições para a produção brasileira.

O espetáculo foi recriado de forma idêntica ao que foi visto na Broadway no palco do Teatro Renault, inclusive figurinos, cenário e coreografias.

Elenco

GIOVANNA RANGEL – ANYA

Foto:
Foto: T4F/Reprodução

Atriz desde os 6 anos de idade, Giovanna Rangel já participou de produções como a montagem de 2019 de “O Despertar da Primavera”, no Rio de Janeiro, “Gypsy” e “Fala Sério, Gente!”. Também participou de “Malhação: Vidas Brasileiras”, como a vilã Fabiana Mota.

RODRIGO GARCIA – DMITRY

Foto: T4F/Reprodução

Recentemente visto como o Sabidão, na produção da IMM Entretenimento de “A Pequena Sereia”, Rodrigo Garcia já interpretou Agnaldo Rayol no musical inspirado na vida de Hebe Camargo e o Príncipe Topher em “Cinderella de Rodgers & Hammerstein”.

Também já fez parte dos elencos de “Chicago”, “Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate”, “Masterclass”, “Billy Elliot”, “O Homem de la Mancha” e “Ghost”.

LUCIANO ANDREY – GLEB

Foto: T4F/Reprodução

Além de versionista do espetáculo, Luciano Andrey empresta seu talento ao vilão Gleb Vaganov. Em seu currículo se encontram espetáculos como “A Madrinha Embriagada”, “Vingança”, “Vamp – O Musical”, “Gabriela, um Musical”, “O Rei e Eu”, “West Side Story” e “Priscilla – A Rainha do Deserto”.

TIAGO ABRAVANEL – VLAD

Foto: T4F/Reprodução

Alçado à fama no meio dos musicais como intérprete de Tim Maia no musical homônimo, Tiago Abravanel foi mais recentemente visto nos palcos como Sebastião em “A Pequena Sereia”.

O ator também pode ser visto nos elencos de “Miss Saigon” e “Hairspray” – musical que ele mesmo prepara para o retorno ao Brasil. Dessa vez, ele será a própria Edna Turnblad, vivida nos palcos por Harvey Fierstein e nos cinemas por John Travolta.

EDNA D’OLIVEIRA – IMPERATRIZ

Foto: T4F/Reprodução

A aclamada soprano retorna aos palcos do Teatro Renault pela primeira vez desde viver Carlotta na primeira montagem de “O Fantasma da Ópera”. Solista nos principais de ópera do Brasil, ela já demonstrou seu talento como solista em óperas como “Porgy and Bess”, “Andrea Chenier”, “Falstaff”, “A Viúva Alegre” e “Rigoletto”.

CAROL COSTA – LILY

Foto: T4F/Reprodução

Vencedora do Prêmio DID de Melhor Atriz Coadjuvante em Musicais por suas interpretação como Chiquinha em “Chaves – Um Tributo Musical”, Carol esteve em cartaz em 2022 como a ambiciosa e perigosa Roxie Hart em “Chicago”. Também esteve em cartaz como Wendy, na produção da Touche Entretenimento de “Peter Pan” e Lily du Palace em “Annie”.

Ela ainda fez parte de espetáculos como “Hebe – O Musical”, “As Cangaceiras – Guerreiras do Sertão”, “Os Produtores”, “Vamp – O Musical”, “My Fair Lady”, “Raia 30”, “As Damas de Paus”, “A Madrinha Embrigada”, “Cabaret” e “Mamma Mia!”.

LUISA MORIBE E BELLE RODRIGUES – JOVEM ANASTASIA

A jovem Anastasia é interpretada por dois jovens talentos: Luisa Moribe e Belle Rodrigues.

Estreando nos musicais profissionais, Luisa Moribe já participou de montagens acadêmicas de “Os Saltimbancos”, “O Mágico de Oz”, “Sonho de Criança”, “Cantinho de Luz” e “Matilda. A atriz também faz parte de “Depois do Universo”, filme original da Netflix.

Belle Rodrigues estreou como a pequena Evita em “Evita Open Air”, produção do Atelier de Cultura para o clássico de Andrew Lloyd Webber.

O elenco é ainda abrilhantado por Carla Vazquez (“A Pequena Sereia”), Vania Canto (“Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate”), Keila Bueno (“A Família Addams”), Ariel Venancio (da remontagem da São Paulo Companhia de Dança de “O Lago dos Cisnes”), Ariadne Okuyama (“O Fantasma da Ópera”), Daruã Góes (“O Fantasma da Ópera”) e Caru Truzzi (“West Side Story”) no ensemble feminino.

Já o ensemble masculino conta com Diego Luri (“Sweeney Todd”), Alvinho de Pádua (“West Side Story”), Cadu Batanero (“Escola do Rock”), Victor Vargas (“O Fantasma da Ópera”), Gabriel Conrad (“West Side Story”), Cezar Rocafi (“West Side Story”) e Paulo Ocanha (“Nuvem de Lágrimas – O Musical”).

O elenco se completa com os swings Gigi Debei (“Evita Open Air”), Fernanda Muniz (“O Fantasma da Ópera”), Bruno Sigrist (“Sunset Boulevard”) e André Luiz Odin (“Chicago”).

O espetáculo é uma produção de Caradiboi Entretenimento e da T4F. A T4F é a principal produtora do gênero do país, conhecida principalmente pelas produções réplicas de espetáculos estrangeiros e pela manutenção do Teatro Renault. Já a Caradiboi foi a responsável pela inauguração do Teatro Santander com o espetáculo “We Will Rock You”.

O espetáculo conta com a produção geral de Almali Zraik, que tem em seu currículo espetáculos como as duas montagens de “A Bela e a Fera”, a primeira montagem de “O Fantasma da Ópera”, “Miss Saigon”, “Peter Pan – Todos Podemos Voar”, “Cats” e a produção mais recente de “A Família Addams”.

A versão brasileira ficou a cargo da dupla Bianca Tadini e Luciano Andrey. Além das dezenas de espetáculos onde figuraram como atores, a dupla foi responsável pelas versões brasileiras de “Mudança de Hábito”, “Jesus Cristo Superstar”, “Peter Pan”, “Donna Summer – O Musical” e “We Will Rock You”.

Foto: Victor Miranda

“Anastasia” estreou no Teatro Renault em 10 de dezembro de 2022, com temporada neste ano até o dia 18 de dezembro. As datas para as apresentações em 2023 ainda não foram anunciadas.

Preços (quintas e domingos às 20h):

Plateia VIP: R$ 300 (inteira) / R$ 150 (meia-entrada)
Plateia Premium – R$ 280 (inteira) / R$ 140 (meia-entrada)
Plateia Gold – R$ 250 (inteira) / R$ 125 (meia-entrada)
Plateia Silver – R$ 200 (inteira) / R$ 100 (meia-entrada)

Camarote – R$ 280 (inteira) / R$ 140 (meia-entrada)
Camarote ZZ – R$ 200 (inteira) / R$ 100 (meia-entrada)

Balcão VIP – R$ 180 (inteira) / R$ 90 (meia-entrada)
Balcão Premium – R$ 150 (inteira) / R$ 75 (meia-entrada)
Balcão Economy – R$ 90 (inteira) / R$ 45 (meia-entrada)
Visão parcial – R$ 90 (inteira) / R$ 45 (meia-entrada)

Preços (sextas, sábados e domingos às 16h):

Plateia VIP: R$ 350 (inteira) / R$ 175 (meia-entrada)
Plateia Premium – R$ 310 (inteira) / R$ 155 (meia-entrada)
Plateia Gold – R$ 280 (inteira) / R$ 140 (meia-entrada)
Plateia Silver – R$ 230 (inteira) / R$ 115 (meia-entrada)

Camarote – R$ 310 (inteira) / R$ 155 (meia-entrada)
Camarote ZZ – R$ 230 (inteira) / R$ 115 (meia-entrada)

Balcão VIP – R$ 200 (inteira) / R$ 100 (meia-entrada)
Balcão Premium – R$ 180 (inteira) / R$ 90 (meia-entrada)
Balcão Economy – R$ 120 (inteira) / R$ 60 (meia-entrada)
Visão parcial – R$ 120 (inteira) / R$ 60 (meia-entrada)

Vendas:
Tickets For Fun: bit.ly/AnastasiaMDM

Bilheteria: De terça a sábado, das 12h às 20h ou até o início do espetáculo. Aos domingos, das 13h às 20h.

Como chegar:

Endereço: O Teatro Renault fica localizado na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, 411 – Boa Vista – SP.

Estacionamento: Não possui estacionamento.

Transporte público: A estação Liberdade do Metrô (Linha 1 – Azul) é a mais próxima (10 min de caminhada).

Siga o Mundo dos Musicais no Facebook, Instagram e Youtube para mais informações sobre esse e outros musicais.

Deixe uma resposta